27/07/2013

DE UM SEGREDO


Do interior, quero
um vestido semeado de flores
a repetir nos botões de vidro,
em suave reticência:
o musgo do beco,
a luz pungente do meio-dia,
a praça,
a poesia de um cemitério pequeno...
 
Quero do meu interior
o caminho sombrio das entranhas
e seus quentes humores...
 
Do interior,
quero a intensidade do fogo,
o sangue,
e deles
a coragem para os abismos.
 
Elizabeth Gontijo
In De um segredo
tela Teodor Axentowicz

Nenhum comentário: