07/09/2010

SONETO IMPRESSIONISTA


de Antonio Luzo

"Vozes veladas, veludosas vozes,
 Volúpias dos violões,vozes veladas,
 Vagam nos velhos vórtices velozes
 dos ventos,vivos,vãs,vulcanizadas"
 Cruz e Souza 

Seduz,embriaga o pensamento,anula
toda memória para além da vida,
é um vinho sedutor,que me estimula!
o coração de fibra envelhecida...

Quando tudo é silêncio e a alma da Lua,
Quando tudo se exulsa e os astros descem
para melhor ouvir o que tressua
nos bordões pelo ar, que se arrefecem...

É quando já se vão... fica a lembrança
da asa fluida do Longe e o último verso
de porta em rua, p'ra desesperança...

Guardo-o comigo, no meu coração,
fica a adejar no ouvido o último terço...
guardo a saudade da última canção!

Ernani Rosas
In História do Gosto e Outros Poemas 
tela de  Guy Gambier

Obs...exulsa talvez um neologismo do poeta a partir de exul,
exilar,exular ....afastar-se,apartar-se.             

2 comentários:

Henrique Rodrigues Soares disse...

Belissima poesia!

Sds.

Dione Cristina Coppi Eller disse...

Bom dia,Henrique...obrigada pela visita.Ernani Rosas é catarinense, com muito orgulho.
Ótima semana!!!