06/02/2011

DUPLICIDADE



Eu te pressinto
correndo a meu lado
e te admito.
Gosto do teu sorriso sem conflito,
tua trança
que balança frouxa contra o vento.
Acostumei-me a te levar comigo
pelos meus sucessos
e nos contratempos.
Eu me desculpo pelos meus excessos.
Há espaço pra nós duas,
suficiente
para poder te manter irreverente,
apoiada
na minha metade equilibrada.
Assim me encosto
na textura sem rugas de teu rosto.
Se houver um quase nada
de divergência,
é melhor prevalecer a tua inconsequência,
que é nosso lado mais sadio.
Se por acaso houver um desafio,
há de vencer-me a ingenuidade
que evaporou no tempo,
que decorou nos tons da meia-idade
Mas, quando um dia confrotarmos
nossas diferenças,
quero que se sobreponha
por sobre minha face mais tristonha
a tua liberdade mais traquina.
Eu te dou a mão num gesto de ternura,
porque te quero sábia,
porque me quero pura.
Meio mulher madura,
meio menina.

Flora Figueiredo
In Calçada de Verão

3 comentários:

R.B.Côvo disse...

É importante que brotando a mulher não morra a menina. Lindo poema. Um abraço. Se quiser conhecer o meu cantinho será bem-vinda.

Kallyta Cristina disse...

ah tem selinhos para você no meu blog
beijos

CAFÉ COM ROSAS disse...

As costas ainda gritam.
Os olhos ainda choram.
Espero que da próxima vez eu consiga silenciar a sua gritaria afônica.
Espero que da próxima vez você consiga emudecer o meu silêncio ensurdecedor.

http://cafecomrosas.blogspot.com/