21/03/2011

VENTO



















Por mais que tente, o vento
Não consegue adormecer
Se não tiver nada para ler.
Seja uma folha de tília,
De bambu ou buganvília.

É por isso que o vento
Arrasta as folhas consigo,
Até encontrar um abrigo,
Onde possa adormecer.
- Arrastou até a folha,
Onde eu estava a escrever!

 Jorge Sousa Braga
 In  Herbário
 tela de  Casson

Um comentário:

Prosas e Versos - AndreaCristina Lopes disse...

Belíssimo vento que soprou e me trouxe esse poema. Ótima noite! Bjus!