25/05/2011

HOJE























Hoje, eu queria a altivez da onda,
o brilho do sol,
a imponência da montanha,
a vastidão do mar...
Tudo isso, e tu me notarias?

Hoje, eu queria a suavidade do regato,
a carícia do vento,
a maciez da nuvem,
a ternura da lua...
Tudo isso, e tu me sentirias?

Hoje, eu queria a doçura do mel,
a beleza da flor,
a meiguice do pássaro,
o calor do verão findando.
Tudo isso, e tu me aceitarias?

Hoje, eu me queria assim,
terna e romântica,
altiva e luminosa,
suave e morna...
Tudo isso, e tu me amarias?

Mila Ramos
In Pé de Vento
foto por  Ilikethenight

2 comentários:

Emoções disse...

Poetas, homens da arte em geral.
Foram e sempre serão como uma ponte
Entre o imaginário antigo e o real presente.
Como bons feiticeiros trazem
Ás almas insatisfeitas como que uma porção mágica
Que causa um breve delírio voluptuoso
Um extasiar fugaz, que alivia os ais,
Dos inconformados com a realidade contemporânea.
Todavia seu ungüento não dura mais que alguns instantes
Seu efeito curador se converte em um maior pesar
Maior que a dor atroz do passado.
Portanto, dou um conselho aos amantes das belas artes.
Não dêem ouvidos aos artistas do presente
Sejam vocês mesmos uma ponte e o viajante
Para ir ao mundo da pura arte...
Vão ao encontro do elixir da eterna melancolia
Na fonte, na sua origem, onde jorra com perfeição,
Tanto o bem, quanto o mal dos seus sublimes criadores.

Dione Cristina Coppi Eller disse...

Bravo!!