16/07/2011

A JANELA


À minha mãe, Nair Rossetto

Da janela
Transcendentalmente saem olhos
Aos quatro cantos da imaginação.

Dos olhos
Saem lágrimas
– não sei se é
Por nada entender
Ou por entender tudo.

A vida passa defronte à janela
E os olhos veem o mundo
Nas asas da imaginação.
E as pessoas que passam
Não veem a janela
E muito menos os olhos.

Da janela,
Retangularmente, ela vê o mundo:
Um mundo sem emoção.
Sofrendo por dentro
Só lhe abro e fecho a janela.
Como me dói o coração!

E de noite
(quando o mundo descansa)
Eu fecho a janela
E, por que não dizer,
 
Os olhos de minha mãe.
 
Luís A.Rosseto de Oliveira
foto de Mary Cassatt

Um comentário:

Maria Madalena disse...

Oi Dione! Blog de layout novo! Lindooo como você!
Parabéns, está belíssimo, receado de poemas lindíssimos.
Beijos.