05/09/2012

NOTURNO MADURO



Nesta hora os deuses pensam.
O tempo se desenvolve
a partir da integração.
O mundo aguarda: Que será?
 
Vêm os planos, a aspiração,
e a descoberta tristíssima
do  nada. No sangue
a noite tornou-se um vício.
 
Este mergulho na treva
ainda é meu consolo.
Vida, que sei de ti?
Talvez nada, talvez nem isso...
 
Janelas espiam seios
e Raquel ainda é virgem
Na elaboração do eterno
nem a morte se atreve
 
Num quarto longe do mundo
sou um homem,
 
dolorosamente 
 
Rio, 1965
 
Cacaso
In A Palavra Cerzida
tela Olga Gouskova 

Nenhum comentário: