05/07/2010

COM EFEITO



Do parapeito
eu espreito
teu preconceito
teu lado direito
teu ângulo estreito
teu ar contrafeito.
Tento mudar-te o conceito
de insatisfeito perfeito.
Ao abrir-te o peito
pra reparar o defeito,
me desajeito,
pois há que mudar o sujeito
mas esse não muda, está feito.

Flora Figueiredo
In Florescência
Reminiscing In The Window I by Lesley Aggar

2 comentários:

Fernando Campanella disse...

Que poema interessante esse da Flora Figueiredo, Dione, rimas a serviço de algo pronto, cadência que não abre espaço para mudança, bem de acordo com a temática do poema. Muito bom. E a fotografia é maravilhosa. Grande abraço, minha querida amiga.

Dione Cristina Coppi Eller disse...

Obrigada pela visita,Fernando...bj