19/12/2010

PONTE






















Frágil ponte:
arco-íris, teia
de aranha,gaze
de água, espuma,
nuvem, luar.
Quase nada:
quase
a morte.

Por ela passeia,
passeia,
sem esperança nenhuma,
meu desejo de te amar.

Céu que miro?
- alta neblina.
Longo horizonte
- mas só de mar.

E esta ponte
que se arqueia
como um suspiro
- tênue renda cristalina -
será possível que transporte
a algum lugar?

Por ela passeia,
passeia
meu desejo de te amar.

Em franjas de areia,
chegada do fundo
lânguido do mundo,
às vezes, uma sereia
vem cantar.
E em seu canto te nomeia.

Por isso, a ponte se alteia,
e para longe se lança,
nessa frágil teia
- invisível, fina
renda cristalina
que a morte balança,
torna a balançar...

(Por ela passeia
meu desejo de te amar.)

Cecília Meireles
In Vaga Música
tela de Claude Monet, 1899

2 comentários:

Maria Madalena Schuck disse...

Sempre lindo teu blog Dione!
'Clean', perfeito!
Belíssimas escolhas, meus parabéns menina!
Adoro vir aqui, é como 'arrumar a alma'!
Beijos

Dione Cristina Coppi Eller disse...

Obrigada,Mada...beijosss