19/12/2010

LEMBRANÇA RURAL



















Chão verde e mole.Cheiros de selva.Babas de lodo.
A encosta barrenta aceita o frio, toda nua.
Carros de bois, falas ao vento, braços, foices.
Os passarinhos bebem do céu pingos de chuva.

Casebres caindo, na erma tarde;Nem existem
na história do mundo. Sentam-se à porta as mães descalças.
É tão profundo, o campo, que ninguém chega a ver que é triste.
A roupa da noite esconde tudo, quando passa...

Flores molhadas.Última abelha.Nuvens gordas.
Vestidos vermelhos, muito longe, dançam nas cercas.
Cigarra escondida, ensaiando na sombra rumores de bronze.
Debaixo da ponte, a água suspira, presa...

Vontade de ficar neste sossego toda a vida:
bom para ver de frente os olhos turvos das palavras,
para andar à toa, falando sozinha,
enquanto as formigas caminham nas árvores...

Cecília Meireles
In Vaga Música
foto de Luciti  

Um comentário:

Mara teresinha barreto Voigt disse...

Muito lindo.O texto me transportou para a paisagem descrita,fazendo por uma fração de segundos,eu me sentir parte da história tão minuciosamente,conta.