18/07/2012

FALTA ALGO EM MIM



Falta algo em mim...
quando o sol, nas manhãs,
doira os caminhos,
ou os pássaros, nas tardinhas
agasalham seus filhotes
no aconchego dos ninhos.


Falta algo em mim...
quando os sinos, ao meio-dia,
plangem batendo horas
ou das escolas, as crianças,
em algazarra
derramam-se portões afora.


Falta algo em mim...
quando a geada na terra
resolvida, atrevidamente floresce
ou a aragem, tépida,
beija um colo virgem
e ligeiramente o aquece.


Falta algo em mim...
quando as chuvas, nas calçadas,
enxotam a poeira...
ou a lua, logo mais,
aparece - que beleza!
- feito moça feiticeira.


Falta algo em mim...
quando medito, na vigília,
sozinha, sem mais ninguém...
ou se a saudade,
que é minha companheira,
silenciosamente vem.


Falta algo em mim...
toda hora, todo instante
desse interminável dia-a-dia...
Falta algo em mim
assim como qualquer coisa
que eu mais queria.


Falta algo em mim...
diga-me, você, por favor!
diga-me, qualquer mentira, assim...
ou eu enlouqueço
nesta ansiedade, nesta angústia
de sentir que falta algo em mim.


Assim como a esperança,
como fé, como coragem,
como resignação. - Falta algo sim...
Talvez qualquer coisa sem batismo,
que aniquila a vida, sem roubá-la,
mas falta algo em mim.


Córa Laus Simas
In A Décima Carta
tela Yuri Krotov 

Nenhum comentário: