21/12/2012

PALAVRAS DO VENTO



Talvez tivesse morrido de tédio em pleno azul da tarde
se não fosse o vento
vir subidamente e dizer
o que disse às suas orelhas pendidas.
Que logo não estavam pendidas: altas, escutavam 
o vento,
um vento de setembro com qualquer coisa
dos janeiros limpos pelas chuvas
que jamais cessam de cintilar 
na memória.

E o vento falou, depois enovelou-se no capim e dormiu.
Merecidamente, deve  ter pensado o que o escutara
e, escutando-o, sentira novo gosto pela vida.
Foi o que concluí, olhando disfarçadamente o velho caçador
erguer-se e distanciar-se pelo campo verde,
soprado assim por um vento que todos nós gostaríamos 
de ouvir,
agora jovem perdigueiro
indo-se como, digamos, um barco branco
de orelhas pandas,
leve e cada vez mais longínquo,
até se desfazer azul na tarde
 azul.

Ruy Espinheira Filho
In Poemas Reunidos
tela Vicent Van Gogh

Um comentário:

Marli Franco disse...

O teu espaço é belíssimo!
Agradeço tua companhia em 2012, enriqueceu e tornou os dias especiais.
Boas Festas e que o Natal e todo Ano Novo sejam plenos de bênçãos Divinas!
Muita Saúde , Paz e Amor!
http://marlifrancofotos.blogspot.com.br/
http://marlifranco.blogspot.com.br/
bjs de violetas
Marli Franco