30/03/2013

CHÁ DAS CINCO



Para
Jorge Amado      

Chá de poejo para o teu desejo
chá de alfavaca já que a carne é fraca
chá de poaia e rabo-de-saia
chá de erva-cidreira se ela for solteira
chá de beldroega se ela foge ou nega
chá de panela para as coisas dela
chá de alegrim se ela for ruim
chá de losna se ela late ou rosna
chá de abacate se ela rosna e late
 chá de sabugueiro para ser ligeiro
chá de funcho quando houver caruncho
chá de trepadeira para a noite inteira
chá de boldo se ela pedir soldo
chá de confrei se ela for de lei
chá de macela se não for donzela
chá de alho para um ato falho
chá de bico quando houver fuxico
chá de sumiço quando houver enguiço
chá de estrada se ela for casada
chá de marmelo quando houver duelo
chá de douradinha se ela for gordinha
chá de fedegoso para mijar gostoso
chá de cadeira para a vez primeira
chá de jalapa quando for no tapa
chá de  catuaba quando não se acaba
chá de jurema se exigir poema
chá de hortelã e até amanhã
chá de erva-doce e acabou-se 

( pelo sim pelo não
                             chá de barbatimão)

Gilberto Mendonça Teles
In Plural de Nuvens
tela Mary Cassatt

2 comentários:

Menina Marota disse...

Excelente!
Não conhecia e fiquei sensibilizada pela envolvência do poema.
Grata pela partilha.
Um abraço e feliz Páscoa

Estrela vespertina... disse...

Adoreiiii esse texto.
"chá de alho para um ato falho
chá de bico quando houver fuxico
chá de sumiço quando houver enguiço'"

e todas essas rimas, agora adoro chá das cinco.